O clima brasileiro e o seu veículo

Imagine quantos de nós já passamos por essa situação abaixo.

Você está dirigindo e, de repente, observa no painel do carro que a temperatura do motor está subindo.

O que fazer nesse momento? Os especialistas recomendam que estacionemos o veículo, aguardando que o motor esfrie, pois ao que tudo indica ele está sofrendo um processo de superaquecimento.

A falta de manutenção do veículo é apontada como uma das principais causas do superaquecimento do motor. Além disso, vivemos em um país tropical, onde os índices de calor são elevadíssimos. Seja no inverno ou no verão, o calor excessivo também pode gerar prejuízos na parte interna do seu veículo.

Para evitar que os componentes do seu carro fiquem danificados, fique ligado em algumas dicas que explicam o problema do superaquecimento dos motores de combustão. Em dias de altas temperaturas, redobre os cuidados com o seu automóvel.

Motores superaquecidos

Hoje, vamos falar sobre a função da bomba de água, que atua diretamente para evitar esse problema do superaquecimento do motor.

A bomba de água é um componente que atua no sistema de arrefecimento de motores à combustão interna. Esse sistema resfria o motor do carro e evita o superaquecimento.

Para isso, utiliza água, bem como o aditivo de radiador que torna esse precioso líquido ainda mais adequado para exercer sua função, que é a de retirar o calor interno do motor.

Sem a água, o motor teria a sua refrigeração comprometida, ou sequer permitiria que ela existisse.

Mas, atenção! A água não é uma peça e sim um componente, de extrema importância para sistema de arrefecimento. Quando o aditivo é acrescentado à água é formada uma mistura chamada de líquido de arrefecimento.

E a bomba de água, nosso objetivo com este artigo?

Ela tem como principal objetivo gerar fluxo e fazer circular o líquido de arrefecimento pelo motor, bloco e cabeçote. É a bomba de água quem também permite que o radiador seja atingido, quando ocorre a troca de calor com o ar externo.

É o próprio motor quem aciona a bomba de água, por meio de uma correia.

Como funciona a Bomba d'água

Componentes

Qualquer veículo possui um motor que, inevitavelmente, gera uma quantidade elevada de calor, que precisa ser expulso sob o risco de gerar superaquecimentos. São os componentes da bomba de água que auxiliam e trabalham para que o sistema de arrefecimento mantenha estável a temperatura do motor. Conheça cada um desses componentes:

Cubo: também conhecido por flange, esse componente fica prensado no eixo do rolamento. Nesse local, será parafusada a polia (“V”, multi “V”, lisa). Elas fazem a transmissão de movimento através da correia, que também fica acoplada ao motor. Em algumas situações a polia vem acoplada à bomba.

Rolamento: transmite o movimento do cubo para o rotor. É quem permite a circulação do líquido. Geralmente, são apresentados como modelo esfera/esfera e esfera/rolete.

Carcaça: é a peça de suporte dos componentes da bomba, principalmente do rolamento e selo mecânico, que funcionam acoplados. É a carcaça que também permite a fixação da bomba no bloco do motor. Tem composição, na maioria das vezes, de alumínio ou ferro fundido.

Selo mecânico: tem como objetivo principal a vedação da bomba. Alguns fabricantes utilizam modernos sistemas de vedação, que consistem no atrito entre o grafite e a cerâmica. Especialistas discutem que essa composição aumenta a vida útil da bomba.

Rotor: é responsável por fazer a circulação do liquido, distribuindo-a para todo o motor.

Na prática

A bomba de água, geralmente, fica acoplada à parte central do motor. Essa conexão é viabilizada porque dentro da carcaça da bomba há uma turbina que é conectada por um eixo à polia externa.

Toda essa engrenagem é acionada por uma correia, na maioria das vezes em formato “V”, que faz com que a turbina produza o fluxo do líquido de arrefecimento dentro do sistema. Nesse local, temos o coração do sistema de arrefecimento de um motor de combustão interna.

Se a bomba de água não funcionar, ocorre a interrupção do fluxo do líquido de arrefecimento. Essa falha pode comprometer todo o funcionamento do sistema e colocar em risco a durabilidade do próprio motor.

Se o líquido de arrefecimento não circular por dentro do motor, também não será resfriado no radiador, o que pode gerar um superaquecimento.

Nesse sentido, o condutor deve redobrar a atenção e ficar alerta para riscos vazamentos, ruídos e as próprias condições da correia de acionamento da bomba de água.

O líquido que sai da bomba passa inicialmente pelo bloco do motor, seguindo pelo cabeçote, radiador e, por fim, volta para a bomba. Já existem motores mais sofisticados em que o fluxo é iniciado pelo cabeçote, a parte mais quente, e só depois continua pelo bloco.

Troca

Para fazer a substituição desse item é recomendável um conhecimento prévio do sistema. Além disso, devem ser observados alguns aspectos:

Modelo de veículo: existe uma forma específica para a aplicação correta da bomba de água, a depender de cada modelo de veículo.

Manuseio: diversos componentes formam a bomba de água e é necessário um cuidado especial no manuseio para que não ocorram prejuízos com o eixo, vedadores, rolamentos, etc.

Limpeza: todo o circuito por onde circula o líquido de arrefecimento deve ser devidamente limpado. Nesse momento, a válvula termostática precisa permanecer aberta.

Ventilador e correia: são dois importantes componentes que atuam no acionamento da bomba de água. Por isso, devem ser verificados para que estejam em perfeito estado de conservação.

Áreas de contato: precisam estar limpas e sem impurezas antes da montagem da bomba.

Outra dica importante é quanto ao uso de juntas novas, sempre evitando o uso de cola. Verifique todas as recomendações de montagem que acompanham o produto e, após a troca, confirme se não há vazamentos.

Cuidados necessários

Alguns cuidados são importantes na hora de fazer a manutenção preventiva da bomba de água. Portanto, confira e siga as dicas.

  1. Semanalmente, verifique o nível do líquido de arrefecimento com o motor frio.
  2. O fabricante do veículo sempre recomenda um líquido de arrefecimento específico para cada carro. Além disso, também define a proporção correta a ser utilizada.
  3. O reservatório do radiador nunca deve ser completado com água pura. Esse tipo de procedimento faz com que ocorra diluição da concentração do aditivo (etileno-glicol) e gera prejuízos à eficiência do sistema.
  4. Se você observar alguma diminuição do nível do líquido de arrefecimento, confirme imediatamente se há algum vazamento no sistema.
  5. A manutenção da bomba deve ser feita sempre com o motor frio, para que não ocorram queimaduras ou acidentes durante o processo.
  6. Se verificado excesso de temperatura, estacione o carro em local seguro e desligue o motor o quanto antes.
  7. Faça, rotineiramente, um check up da tensão e do estado da correia responsável pelo acionamento da bomba. Tais orientações constam no manual do veículo.

Fique alerta

Alguns sinais servem de alerta quando ocorre algum tipo de problema neste dispositivo. Fique por dentro!

Quilometragem: a vida útil da bomba de água não é muito longa. Por ser um item relativamente barato, a melhor decisão quando identificada a necessidade é a troca. Alguns especialistas recomendam que é conveniente trocá-la após o veículo atingir os 40 mil quilômetros. Trata-se de uma troca preventiva. A quilometragem não é uma regra, mas serve de parâmetro para quando você estiver com o carro no conserto. Nunca é demais agir preventivamente e pedir ao mecânico que realize a substituição.

Temperatura: a maioria dos usuários percebe o momento da troca quando observa defeitos no medidor da temperatura. Geralmente, ela passa a marcar níveis mais elevados do que o normal. Nesse caso, deve-se ficar atento às oscilações e procurar ajuda especializada para confirma se o problema realmente está na bomba.

Goteiras: a perda de líquido também é um forte indicador de que está ocorrendo algum tipo de problema na bomba. Vale lembrar as goteiras da bomba só ocorrem quando o carro está em movimento. Portanto, se observar esse tipo de problema faça testes para confirmar se ela está gotejando quando o motor está em funcionamento. Você pode checar embaixo da zona onde a bomba fica localizada.

Óxido: você já deve ter observado um radiador enferrujado. Esse mesmo problema pode ocorrer com a bomba, pois a ferrugem é um dos grandes inimigos deste acessório. Ela pode, inclusive, estar destruindo todos os componentes da bomba.

Barulho: quando o motor está ligado, observe se há algum ruído quando você levanta o capô do veículo. Para isso, você precisa diferenciar o barulho habitual do motor do seu veículo e comparar se algum ruído anormal está associado a esse movimento.

Correia: a bomba também pode apresentar falhas por conta do desgaste das correias. Portanto, esteja sempre atento ao levar o seu veículo ao mecânico.

É importante destacar que nem todos esses indicadores podem revelar que o problema seja específico da bomba de água. Por isso, confirme qualquer dúvida com o mecânico.

Conheça a bomba de água

No vídeo abaixo, desenvolvido pelo site Dr. Carro, temos um exemplo de possível problema na bomba de água. Ao longo da explicação, também são mostrados alguns componentes que acabamos de conhecer por meio deste artigo.

Assista abaixo: