A vida de quem pretende comprar um carro parcelado nos próximos meses pode ficar um pouco mais difícil do que nos anos anteriores. Depois que as pessoas tiveram um grande acesso a ofertas de créditos, a tendência agora é ficar um pouco mais complicado de conseguir os financiamentos pelas instituições financeiras. E o motivo tem sido basicamente a dificuldade que muitos consumidores estão tendo em pagar as suas contas, principalmente as parcelas dos carros.

Inadimplência no pagamento das parcelas dos carros dobra em 2 anos

De acordo com levantamento feito e divulgado esta semana, apenas no estado de São Paulo a inadimplência no pagamento das prestações de um veículo dobrou nos últimos dois anos.  Mas além das pessoas não estarem conseguindo pagar as suas dívidas, o grande problema é que elas ainda estão tendo dificuldades na hora de negociar com as financeiras, e muitas delas estão conseguindo perder os seus carros para conseguir quitar suas dívidas. Nos últimos dois anos, no estado de São Paulo, 200 mil pessoas perderam o seu veículo para as instituições financeiras por não conseguir quitar as prestações com a financeira.

O índice de inadimplência em 2010 era de 2,5% e, em 2012, esse número dobrou. Quem atrasa, em média, três parcelas seguidas já pode perder o bem se não houver negociação, portanto as pessoas realmente devem ficar atentas. Além de ter um impacto negativo na vida dos consumidores, afinal de contas ninguém gosta de ter um bem apreendido, até porque muitas pessoas acabam dependendo do carro para trabalhar. E isso também acaba tendo um impacto negativo no mercado, já que com a inadimplência as financiadoras vão diminuindo a oferta de crédito para os consumidores como um todo, e assim as pessoas que ainda estão querendo comprar os carros financiados pagam o pato.

Jovens inadimplentes

A financeira que fez o levantamento sobre os atrasos nos pagamentos das parcelas dos carros foi mais a fundo ainda na investigação da situação, e descobriu que os jovens são os que mais estão tendo dificuldades de pagar suas contas, mais especificamente os grupos que estão dentro da faixa etária que vai dos 23 aos 28 anos. Isso porque grande parte destes jovens ainda não estão com a vida financeira estável, ainda estão expostos a muitos riscos e acabam deixando de pagar as suas contas.

Além disso, outro motivo que faz com que a inadimplência cresça são as altas taxas de juros que são cobradas pelas financiadoras, principalmente dos já devedores. Na medida que a pessoa fica devendo duas parcelas o pagamento de todas as outras já ficam comprometidas, porque os juros começam a aumentar a conta rapidamente. De acordo com o Banco Central, a multa por um dia de atraso é, em média, 5,8%. “Ou [o comprador] faz uma prestação que não pode pagar ou ele perde o emprego. Muitas vezes ele não faz as contas incluindo a balada ou a mecânica do carro”, diz o gerente administrativo Rodrigo dos Santos Batista.

E é claro que mesmo aqueles que chegam a perder o carro para a financeira ainda acabam tendo um grande prejuízo. Isso porque os consumidores acabam perdendo o direito de ter todo o valor que foi pago até o momento. E como, quando as contas chagam ao ponto da pessoa perder o carro, já existe uma grande quantidade de juros envolvidos, a pessoa acaba tendo que deixar aquele dinheiro para cobrir o valor a mais da dívida.

Tendência a queda

Apesar dos números no estado de São Paulo serem desanimadores, em nível nacional a expectativa é que durante este ano o mercado acompanhe uma retração dos números de pessoas que não conseguem pagar em dia pelas prestações dos carros. De acordo com Décio Carbonari, presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), a queda dos juros, que durante o mês de novembro do ano passado passou de 1,27% para 1,26% ao mês, o que além de atrair novos clientes também beneficia a carteira de clientes que estão comprando o carro agora.

“A queda na taxa de juros, em conjunto com a manutenção da redução do IPI, que seguirá reduzido durante os primeiros meses de 2013, mantiveram as vendas aquecidas e proporcionaram o retorno ao mercado de um público com renda maior e com melhores garantias de pagamento, influenciando também nos números de inadimplência que devem apresentar uma nova retração nos próximos meses”, ressalta Carbonari.

Dicas para financiamento

Para não entrar neste turbilhão que é o atraso das parcelas dos carros, os especialistas dão algumas dicas para que a pessoa consiga honrar com as suas dívidas.

Primeiramente, é muito importante ler atentamente o contrato antes de assinar qualquer proposta de financiamento. Ali devem estar estipulados os valores dos juros e também algumas outras informações relacionadas ao pagamento das prestações em caso de atraso.
Para as pessoas que estão comprando o primeiro carro, é importante que as pessoas não calculem apenas os valores da prestação do carro, mas também de todas as outras contas que acabam caindo no colo do motorista: Além de todos os custos de documentação do carro, pagamento de impostos e emplacamentos, as pessoas ainda devem colocar na ponta do lápis os gastos com gasolina, manutenção, dentre outros.

Caso a pessoa deixe de pagar uma parcela, é melhor já tentar uma negociação diretamente com a financeira do que deixar acumular, porque os juros são muito altos no segmento e rapidamente tornam a dívida impagável.