• Toyota Etios Cross - Foto 1
    Toyota Etios Cross - Foto 1
  • Toyota Etios Cross - Foto 2
    Toyota Etios Cross - Foto 2
  • Toyota Etios Cross - Foto 3
    Toyota Etios Cross - Foto 3
  • Toyota Etios Cross - Foto 4
    Toyota Etios Cross - Foto 4
  • Toyota Etios Cross - Foto 5
    Toyota Etios Cross - Foto 5
  • Toyota Etios Cross - Foto 6
    Toyota Etios Cross - Foto 6
  • Toyota Etios Cross - Foto 7
    Toyota Etios Cross - Foto 7

Diversas marcas apostam no nicho de compactos aventureiros. São automóveis pequenos e sem real habilidade “off-road”, que recorrem à estética lameira para cativar o público que vive uma rotineira realidade urbana, mas adora se imaginar desbravando picadas e atoleiros. Esse aparente “descasamento” entre os atributos reais de um veículo e os aspectos emocionais que ele evoca forma o que os profissionais de marketing gostam de chamar de “aspiracional”. Assim, aquilo que um carro realmente é pode importar menos que a percepção que ele transmite a quem o vê. Disposta a aumentar as vendas de sua linha compacta, a Toyota decidiu investir nesse segmento com o Etios Cross, lançado em novembro pela fabricante japonesa com a roupagem lameira incorporada. 

A versão Cross tem como base a “top” XLS do hatch “convencional”. Mas o exterior mais rústico do novo modelo até beneficiou o visual do Etios – que, por sinal, sofreu críticas na época do lançamento. A grade dianteira tem entrada de ar mais larga em função da abertura mais alta e seu para-choque é maior e robusto, na cor preto fosco, com protetores e em tom prata, também sem brilho e mesma cor usada nas molduras que envolvem as luzes de neblina. Os apliques plásticos, na verdade, circundam todo o carro, dando um perfil mais bruto. As setas nessa versão migraram para os espelhos retrovisores, que mesclam o preto fosco com a cor da carroceria. Já o teto ganhou barras longitudinais na cor prata.

Outro aspecto criticado quando o Etios foi lançado foi o acabamento interno. Tanto que a própria fabricante descobriu que 45% dos possíveis compradores desistiam do negócio em função dessa questão. O dado observado em pesquisas fez a marca promover, já em 2013, uma mudança significativa no interior da linha 2014, que chegou ao mercado em setembro do ano passado. E o interior da versão Cross acompanha as características que marcaram essa transformação, com acabamentos em preto brilhante combinados com alguns detalhes em prata nas maçanetas, nos botões de comando do ar-condicionado e na manopla do câmbio. O painel continua centralizado e os bancos cinzentos ganham costura branca e bordado em alto revelo com o nome da versão nos encostos dianteiros. O som tem comandos no volante – que tem traço esportivo e acabamento em couro –, mas integra apenas rádio AM/FM, CD player e entrada USB, sem conexão via Bluetooth. 

Sob o capô, o carro traz o mesmo motor utilizado nas versões sedã e de topo do Etios hatch. O 1.5 litro 16V Flex atinge 96,5 cv e 13,9 kgfm de torque a 3.100 rpm com etanol. Com preço que começa em R$ 46.790, há uma única opção de câmbio, manual de cinco marchas, comum a toda a linha. Uma combinação eficiente, mas que oferece menos potência que rivais com preços próximos. Por R$ 48.350 é possível levar para casa um Gol Rallye com câmbio manual e unidade de força 1.6 litro capaz de gerar 104 cavalos. Um pouco acima, a partir de R$ 49.325, fica o Hyundai HB20X, que também carrega um propulsor 1.6 litro, mas entrega 128 cv. Quem prefere gastar menos pode optar pelo Renault Sandero Stepway, que tem versão com câmbio manual e motor 1.6 litro 8V de 106 cv por R$ 44.790. Mas, independentemente da motorização, no mundinho de aparências dos “off-roads covers”, o verdadeiro trunfo do Etios Cross está mesmo no emblema da Toyota que ostenta.

Detalhe da frente do carro

Ponto a ponto

Desempenho – Esse é o ponto mais surpreendente do modelo. O motor é o conhecido 1.5 litro 16V Flex que já equipa o sedã e as versões de topo XS e XLS do hatch “convencional”. E move o carro com tamanha agilidade que faz o motorista duvidar dos 96,5 cv que atinge no papel. Como o peso do Cross fica em apenas 985 kg, o motor “sobra” e move o carro com destreza, sem a necessidade de “esgoelar-se”. Nota 9.

Estabilidade – Apesar do visual “metido” a aventureiro, a suspensão utilizada é a mesma do hatch “convencional”. Ou seja, as características “off road” do carro se limitam à estética. Com isso, o Etios Cross se mostra firme e equilibrado nas curvas. Somente em velocidades muito altas a frente do carro faz menção de flutuar ligeiramente. Nota 7.

Interatividade – Para um carro que ultrapassa os R$ 46 mil, fica difícil aceitar a falta de ajustes de altura no banco do motorista. O painel de instrumentos centralizado é de péssima visualização, além de seu design lembrar bastante as velhas balanças de feira. De bom, destacam-se a direção elétrica leve e precisa, o câmbio com trocas de marchas suaves e engates precisos e o ajuste elétrico de retrovisores. Nota 6.

Consumo – De acordo com dados do InMetro, o Etios Cross acusou um consumo de 8,5 km/l na cidade e  8,9 km/l na estrada, com etanol. Já com tanque abastecido com gasolina, o carro marcou 12,4 km/l em perímetro urbano e 13,4 km/l em tráfego rodoviário. Com esse resultado, ganhou classificação “A” em sua categoria e “B” no geral. Nota 8.

Conforto – Por se tratar de um compacto, o espaço interno garantido pelo entre-eixos de 2,46 metros – o mesmo do rival Gol Rallye – é razoável. A suspensão absorve bem os impactos em trânsito urbano. Já nos terrenos acidentados, as “sacolejadas” chegam a incomodar quem está na cabine. Nota 7.

Interior do Toyota Etios Cross

Tecnologia – O Etios é montado em uma plataforma criada especialmente para o carro em 2010. Mas, anacronicamente, faltam recursos como conexão via Bluetooth para o rádio, computador de bordo que calcule ao menos o consumo e a autonomia de combustível e vidros “onetouch”. Nota 6.

Habitabilidade – Não existem muitos porta-objetos na cabine. O porta-luvas até é espaçoso, mas sua abertura superior dificulta o uso do motorista. O porta-malas de 270 litros fica na média do segmento. Nota 7.

Acabamento – O Etios Cross tem em seu painel alguns elementos de desequilíbrio. Como, por exemplo, a disposição das saídas de ar-condicionado. Uma fica localizada ao lado esquerdo e, em função do estranho painel de instrumentos centralizado, três estão à direita. O padrão geral de revestimento evoluiu, se comparado ao usado antes da mudança na linha 2014 do Etios. Agora, o painel central é revestido em plástico preto brilhante, que cria uma atmosfera mais moderna para o carro. Nota 8.

Design – O visual do Etios pode até ser controverso, mas sua versão Cross tem um apelo estético maior. Sua grade é mais alta e o para-choque ficou mais robusto, sempre na cor preto fosco com protetores pratas. A luz de seta foi para os retrovisores e um modelo exclusivo de rodas de liga leve em tom preto e prata com raios mais largos dá um toque esportivo à versão. O carro traz ainda barras longitudinais em tom prata no teto, capazes de transportar até 50 kg. Nota 7.

Custo/benefício – O Etios Cross impressiona no desempenho, mas deixa a desejar demais na interatividade e na tecnologia para um carro que parte de R$ 46.790. Versões semelhantes rivais como Volkswagen Gol Rallye e Hyundai HB20X, que custam R$ 48.350 e R$ 49.325, por exemplo, oferecem mais recursos. Nota 5.

Total – O Toyota Etios Cross somou 70 pontos em 100 possíveis.

Toyota Etios Cross

Impressões ao dirigir

Já na hora de se preparar para colocar o Etios Cross em movimento, a falta de ajuste de regulagem de altura do banco deixa evidente que a preocupação com o conforto do motorista não chegou a ser prioridade na hora de idealizar o carro. Até a regulagem do volante deixa a desejar, fazendo com que a busca por uma posição adequada seja mais complicada para motoristas com estatura alta.

Outro detalhe que incomoda é o painel centralizado. Com essa localização e marcadores analógicos, controlar a velocidade do carro torna-se uma tarefa que tira a atenção ao trânsito e, em consequência, compromete a segurança do percurso. A situação piora ainda mais quando se tenta conferir a quantidade de combustível que se encontra no tanque. O marcador, cujo visor tem tamanho menor que uma caixa de fósforos, se encontra mal instalado, longe da visão do motorista. E com a ausência de um computador de bordo que informe médias de consumo e autonomia de combustível, fica difícil ignorar por muito tempo essa função.

Ficar de olho na velocidade, aliás, é algo que facilmente acontece nessa versão. Equipada com motor 1.5 litro 16V de 96,5 cv, o carro impressiona ao rodar, tanto em cidade quanto em trechos de tráfego rodoviário. O propulsor responde bem às solicitações do acelerador e esbanja força. Seu torque máximo de 13,9 kgfm fica disponível a 3.100 rpm, mas antes disso o hatch já esbanja agilidade e eficiência. A suspensão se mostra firme mesmo diante dos buracos das ruas mal conservadas brasileiras. Nota-se uma pequena rolagem da carroceria nas curvas feitas em velocidade elevada, mas nada que transmita insegurança ao carro. Que, por sinal, conquistou quatro estrelas no teste de colisão do Latin NCAP.

Detalhe da traseira do Etios Cross

Ficha técnica

Toyota Etios Cross (dados de fábrica)

Motor: 1.5 litro a gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.496 cm³, quatro cilindros em linha, com quatro válvulas por cilindro e duplo comando no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 92 cv com gasolina e 96,5 cv com etanol a 5.600 rpm.
Aceleração 0-100 km/h: 11,1 segundos.
Velocidade máxima: Não informado.
Torque máximo: 13,9 kgfm com gasolina e etanol a 3.100 rpm.
Diâmetro e curso: 75 mm X 84,7 mm.
Taxa de compressão: 12,1:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com barra estabilizadora. Traseira com eixo de torção e barra estabilizadora. Não oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 185/60 R15.
Freios: Discos ventilados na frente e tambores atrás com ABS.
Carroceria: Hatch monobloco com quatro portas e cinco lugares com 3,90 m de comprimento, 1,73 m de largura, 1,55 m de altura e 2,46 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais.
Peso: 985 kg em ordem de marcha.
Capacidade do porta-malas: 270 litros.
Tanque de combustível: 45 litros.
Produção: Sorocaba, Brasil.
Lançamento: 2013.
Itens de série: Airbags frontais, freios ABS, direção elétrica, ar-condicionado, vidros elétricos dianteiros e traseiros, travas elétricas, desembaçador traseiro, rádio CD/MP3/USB, alarme perimétrico, faróis de neblina dianteiros e rodas de liga leve de 15 polegadas exclusivas.
Preço: R$ 46.790. 


Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Luiza Dantas/Carta Z Notícias