Volvo FH16 750 chega ao Brasil

No mundo racional dos caminhões, ainda há espaço para as vaidades. E, assim como acontece com os automóveis, as fabricantes de caminhões também disputam para ver quem tem o modelo mais potente do mundo. No universo dos cavalos mecânicos, essa briga fica restrita ao segmento de extrapesados e também a um país no extremo Norte do globo terrestre: a Suécia. Desde que foram fundadas, Volvo e Scania são rivais históricas, mas esse confronto ficou mais “pessoal” desde 2009. Na ocasião, a Volvo mostrou o FH16 700 como o cavalo mecânico mais potente do mundo com seus 700 cv. Isso não soou muito bem à casa de Sodertalje, sede da Scania, que agiu rapidamente: em 2010, apresentou o R730. Além de produzir 730 cv de potência, o caminhão “roubou” o título do compatriota. Porém, a Volvo aproveitou para deixar essa questão bem clara por aqui na última edição da Fenatran, que aconteceu entre os dias 28 de outubro e 1º de novembro no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. A marca de Gotemburgo trouxe ao Brasil o FH16 750 8X4 – lançado no final de 2012 na Europa. Atualmente, é o mais potente do mundo.

Volvo FH16 750

O FH16 750 evidencia que a disputa pelo “título” de caminhão mais potente virou uma “fogueira das vaidades” e, claro, uma guerra de marketing. Bom exemplo disso é a potência máxima de 750 cv e os exorbitantes 362 kgfm de torque máximo – sendo 285,5 kgfm já entregues a baixíssimas 900 rpm. São faixas de potência e torque rarissimamente utilizáveis em termos rodoviários. Tanto que Volvo FH16 750 é indicado apenas para cargas extremamente pesadas e indivisíveis – como turbinas, peças de hidrelétrica ou de plataformas petrolíferas, por exemplo. O caminhão sueco é capaz de tracionar até 200 toneladas de Peso Bruto Total Combinado – PBTC.

Volvo FH16 750

Toda potência provém do motor de 16 litros e é gerenciada pela caixa automatizada I-Shift. A transmissão robotizada, por sinal, é de nova geração, com direito a sistema com dupla embreagem. Ainda no funcionamento trem de força,, a Volvo introduziu no novo FH o I-See. O sistema funciona em conjunto com o GPS e memoriza as características de cada rodovia específica. Assim, quando o motorista passar novamente pelo mesmo trajeto, o I-See propõe as melhores relações de marcha para reduzir o consumo. De acordo com a marca, é possível economizar até 10% de diesel.

Volvo FH16 750Mas ostentar o título de mais potente tem o seu preço. Por aqui, o caminhão tem valor estipulado de R$ 1 milhão – e, segundo a Volvo, já existem encomendas. Nas modificações que efetivamente facilitam a vida de quem vai passar horas a fio dentro do caminhão, a Volvo efetuou melhorias na cabine. Os botões do painel são dispostos em ordem de importância para o motorista não perder a atenção do trânsito. A coluna de direção pode ser ajustada em um ângulo 20º e o banco tem apoios laterais e lombar. O espaço interno ficou maior e a cama, além de ter um novo colchão, foi alargada. O teto solar “sky window”, geladeira e bancos forrados em couro possuem ajustes elétricos completam o pacote. Por fora, os diferenciais em relação aos Volvo FH “comuns” são sutis. Além dos grafismos alusivos à potência, a grade frontal e as maçanetas são cromadas, os faróis são de xenônio e as luzes traseiras são em leds.

Em se tratando de um Volvo, a segurança não poderia mesmo ser deixada em segundo plano. As principais inovações estão na construção do FH. Foram usados compostos de aços mais fortes na estrutura da cabine e na estamparia para resistir a colisões e capotamentos. As folhas de aço são soldadas a laser, o que melhora a rigidez e a precisão. Também existem diversos equipamentos eletrônicos, como o controle de cruzeiro adaptativo, detector de ponto cego, câmara de ré, direção elétrica, freios EBS com VEB e Retarder, que alcançam 1.180 cv de potência, suspensão eletrônica traseira ECS e monitoramento de mudança de faixa.


Autor: Raphael Panaro (Auto Press)
Fotos: Divulgação