Os carros feitos pela marca italiana Lamborghini sempre povoaram o imaginário da maioria das pessoas que gostam de carros. Mas alguns modelos são clássicos responsáveis por tornar popular um determinado desenho e design dos veículos que seriam sonho de consumo de muitas pessoas. E um destes modelos que ajudou na criação de todo o mito que gira em torno da Lamborghini é o Countach. O modelo teve a sua primeira aparição oficial no mercado no ano de 1971, sendo que ele acabou sendo descontinuado no ano de 1990.

Com certeza este não foi o primeiro carro que foi lançado com o design característico dos modelos da marca  Italiana. Mas com certeza este modelo foi um dos grandes responsáveis por conseguir fazer com que este carro com as linhas mais angulosas e com formato de cunha. A partir destes modelos outros carros conhecidos como supercarros, passaram a aderir a estes conceitos desde então. O carro também foi o responsável por apresentar algumas outras novidades que acabaram sendo rapidamente incorporadas por outros modelos e outras montadoras, como a ideia de se empurrar o  habitáculo dos passageiros para frente, a fim de acomodar um motor maior.

Acertando duas vezes

Existe um velho ditado que faça que um raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar, o que a própria ciência já provou estar completamente equivocado, apesar de ser muito raro uma situação destas acontecer. Mas o fato é que algumas vezes nos referimos a esta frase querendo dizer que um acerto, ou um erro , não costuma ser repetido duas vezes, mas parece que na Lamborghini isso acaba não fazendo muito sentido. Logo depois de ter revelado para  mundo o seu modelo chamado de Miura, que foi o primeiro lançamento e que realmente já tinha chamado atenção do mundo inteiro pelo design futurista ousado. E no segundo lançamento a montadora confirmou que estava lançando mais que um novo carro, e sim uma nova tendência.

Lambrghini Countach

O design deste segundo grande lançamento da marca foi de responsabilidade de Marcello Gandini, do estúdio Bertone, o mesmo estúdio que desenhou o Lamborghini Miura. Isso realmente acaba explicando as linhas que ficaram parecidas, mas sem se tornarem iguais. O corpo deste segundo modelo que foi lançado era mais baixo do que o modelo anterior, mas não muito longo.

O design do carro podia ser caracterizado pelo perfil angular da carroceria e pelas linhas retas que se transformavam em formas mais arredondadas no corpo do veículo, o que realmente fazia muita diferença. E é claro que o modelo também tinha que apresentar os desenhos das portas que abrem para cima que acabaram se tornando a grande marca dos supercarros lançados. Para a época, grande parte das pessoas acabam se impressionando com as linhas futuristas do carro, e até hoje ele ainda impressiona quando comparado com modelos lançados nos dias de hoje,  40 anos depois.

Motorização

O motor que era encontrado no modelo Countach era o tradicional Lamborghini V10, sendo que nesta versão o carro era montado na longitudinal e centralmente. Os engenheiros fizeram algumas mudanças significativas na parte interna do carro, sendo que este modelo tinha uma melhor distribuição de peso, com o motor invertido sendo que o eixo de saída estava localizado na parte dianteira do carro. Já a caixa de engrenagens fica localizada na parte da frente do motor, e o eixo cardã trasmite a potência para o diferencial traseiro. Uma das curiosidades em relação ao motor do modelo é que ele foi projetado para ser lançado já como um veículo usando um motor de 4 5 litros, mas um atraso na fabricação desta peça acabou obrigando a montadora a lançar o carro com o modelo de quatro litros que estava presente já no Miura.

Countach em exposição

O carro foi ganhando algumas modificações na motorização ao longo dos anos de fabricação, sendo que uma das primeiras mudanças era justamente no motor que acabou ganhando capacidade  de 5,2 litros no modelo ("Quattrovalvole") com quatro válvulas por cilindro. Um outro grande destaque na configuração deste modelo da montadora italiana eram os carburadores, sendo que poderiam ser encontrados seis na parte interna destes carros. Dentre outras mudanças que ficaram famosas com este modelo do carro são as peças que acabaram sendo trocadas de lugar, como o V12 que acabou sendo virado, deixando a troca de marchas exatamente abaixo da mão do motorista, assim o carro tinha uma ação mais suave. Além disso, o carro também tinha um melhor desempenho nas curvas do que o modelo anterior  que havia sido lançado. Este conjunto de ações e melhorias que podiam ser encontrados no Countach tornava o veículo mais rápido e com uma dirigibilidade melhor que o Miura.

Abrindo mão do conforto

Agora, um dos pontos que deveria ser relevado neste modelo da Lamborghini era o conforto que os motoristas tinham dentro do carro no momento de dirigir ou até mesmo entrar dentro do veículo. Todos sabem que grande parte dos carros realmente esportivos precisam fazer adequações de engenharia para conseguir aumentar o seu desempenho nas pistas, mas acaba esquecendo os desenhos e alguns recursos para dar mais conforto para os motoristas e passageiros. Por exemplo, abrir as portas deste carro não era uma tarefa muito simples de ser executada como em outros veículos. Na verdade, o simples ato de entrar e sair do carro já poderia assustar os motoristas que colocam a praticidade e o conforto acima do desempenho. As pessoas precisavam literalmente passar por cima das soleiras que que ficam por cima dos tanques de combustível.

Além disso dentro do carro nada de muito espaço para a pessoa conseguir se estivar, o local reservado para os pés realmente era muito estreito e além disso tinha um ângulo onde as pessoas precisam basicamente colocar um pé por cima do outro para conseguir esticar as pernas. Para as pessoas que não gostam de ficar fechadas o carro ainda trazia mais um dificuldade, já que ele abria as janelas somente até a metade e a visibilidade de dentro do carro também era comprometida.

Mas tudo isso acabava não importando no final das contas, porque apenas o fato de conseguir estar dentro desta supermáquina já fazia as pessoas esquecerem todo o resto