Desde a confirmação da notícia que a partir de agora a tolerância é zero para motoristas que estiverem dirigindo em relação a quantidade de álcool que pode estar no organismo que muitas pessoas já estão novamente com medo de utilizar o seu anti-séptico bucal ou ainda comer aquela saborosa trufa de licor. Ou seja, as pessoas que não costumam beber e dirigir passam a ficar mais medo e preocupadas em serem pegas nos exames de bafômetro.

Cuidado com o bafômetro

Mas é importante deixar claro nesta hora de é possível sim utilizar produtos como anti-séptico bucal ou comer um doce que tenha uma dose mínima de álcool sem ser pego pelos exames de bafômetro. A lei está sendo utilizada justamente para punir os irresponsáveis que bebem e que vão parar no trânsito, e não as pessoas que estão apenas preocupadas com sua higiene bucal, por exemplo. Para comprovar isso foram feitos diversos testes com produtos que contém álcool na sua fórmula para saber até que ponto eles podem prejudicar a vida de um motorista.

Para fazer estes testes, alguns produtos que acabam sendo a fonte das dúvidas de muitas pessoas foram testados, juntamente com um bafômetro devidamente calibrado como manda as normas do Conselho Nacional de Trânsito. No caso, os produtos são relacionados a higiene oral (aqueles com uma concentração um pouco mais alta de álcool que no caso ajuda a matar os germes e as bactérias que estão na boca), aerossol de mel com própolis que é muito utilizado pelas pessoas que estão com algum problema na garganta, floral de  Bach, e também bombom de conhaque que e encontrado em grande parte das lojas de doces.  E todos os testes realizados mostraram que deixar de usar qualquer destes produtos é um grande exagero de parte dos motoristas.

5 minutos

De acordo com o teste, logo após que o usuário faz a ingestão de um bombom de conhaque ou ainda depois que ele usa os produtos relacionados acima, realmente o bafômetro vai indicar um nível de álcool no organismo que até mesmo supera os índices apontados pelo governo como permitidos, em alguns casos, eles chegam a 0,05 mg/l. Mas este efeito passa depois de, no máximo, 10 minutos que a pessoa fez o consumo de determinado doce ou ainda a utilização os produtos como anti-séptico e própolis. Caso a pessoa coma alguma coisa antes deste tempo, o efeito desaparece ainda mais rapidamente.

Médicos afirmam que a explicação para o desaparecimento tão depressa destes índices de álcool no sangue é que o álcool de produtos acaba realmente evaporando muito mais rápido do que os que estão presentes nas bebidas alcoólicas. Ficam apenas poucas partículas da substâncias presentes no sangue, que não conseguem ser identificadas pelo bafômetro porque também não afetam em nada o organismo dos consumidores. Outra explicação médica para isso é que o álcool que é consumido com as bebidas acabam circulando no ar do pulmão, e por isso eles são identificados através do sopro, o que não acontece com um bombom com conhaque, por exemplo.

Precauções

Do outro lado, a polícia e os agentes de trânsito também não estão interessados em parar as pessoas que utilizaram anti-séptico bucal, ainda mais multá-las por isso. Para evitar este tipo de problema a polícia também toma algumas precauções no sentido de evitar que realmente estas substâncias que acabam não afetando em nada o organismo da pessoa não apareça no bafômetro. E isso pode ser feito através de alguns procedimentos muito simples que são adotados pelos oficiais. O primeiro deles é a pergunta direta para a pessoa, para saber se ela informa se ingeriu ou utilizou algum produto que tenha álcool na sua fórmula. Neste caso, caso os agentes realmente tenham dúvidas sobre a veracidade da informação, a pessoa espera alguns minutos para fazer o teste, que é justamente o tempo do álcool destes produtos evaporarem. Em alguns casos as pessoas também podem fazer a ingestão de água ou alguns bocejos. Assim, se o álcool não for relacionado as bebidas ele não vai aparecer no bafômetro.

As autoridades afirmam ainda que a presença do álcool no sangue acaba variando de organismo para organismo, e portanto os testes poderiam apresentar variações se fossem feitos por homens ou por mulheres, ou ainda pessoas do mesmo sexo mas com pesos diferentes. Mas em nenhum caso qualquer dos produtos que foi citado no início desta matéria apresentou índices de álcool significativos depois de 10 minutos. Mas é importante ressaltar que caso a pessoa tenha comido um bombom de conhaque e três minutos depois seja parada em uma batida, ela pode dizer que fez a ingestão do alimento e que gostaria de esperar alguns minutos antes de fazer o teste do bafômetro. Ou caso a pessoa não lembre que tenha feito o uso de algum destes produtos e seja alertada pelo bafômetro, ela pode pedir para repetir o teste alguns minutos depois.