A Picape brasileira Fiat Toro vai começar a ser exportada, em um primeiro momento, para os países da América do Sul. A declaração foi dada pelo presidente da Fiat, Stefan Ketter. Até o momento, a montadora não possui planos certeiros para a venda do veículo para os mercados fora do Brasil. Eles querem levar o carro para a Europa e para os Estados Unidos, mas a última opção ainda não é considerada como certa.

Fiat Toro ainda é incerteza no mercado norte-americano

Existem alguns desencontros com relação as declarações que estão sendo dadas pelos próprios executivos da empresa em relação aos planos para a Toro. Durante entrevista concedida na abertura do Salão do Automóvel de Chicago, o chefe global de design da Fiat Chrysler, Ralph Gilles deu a entender que a Toro poderia ser incorporada na linha RAM vendida nos Estados Unidos.

Mas depois, se utilizando da sua conta no Twitter, ele disse que, apesar de gostar muito da nova Fiat Toro 2017 vendida na América Latina, não existem planos de vender o carro nos Estados Unidos.

Estratégia indefinida

Este tipo de declaração desencontrada demonstra que existe realmente uma estratégia que ainda está sendo construída quando o assunto é a venda da picape Toro para o mercado internacional. Levar o veículo para os Estados Unidos poderia ser considerado como um passo lógico do ponto de vista do mercado, uma vez que picapes e SUVs fazem bastante sucesso no mercado norte-americano.

  • Fiat Toro Volcano - Foto 1
    Fiat Toro Volcano - Foto 1
  • Fiat Toro Volcano - Foto 2
    Fiat Toro Volcano - Foto 2
  • Fiat Toro Volcano - Foto 3
    Fiat Toro Volcano - Foto 3
  • Fiat Toro Volcano - Foto 4
    Fiat Toro Volcano - Foto 4
  • Fiat Toro Volcano - Foto 5
    Fiat Toro Volcano - Foto 5
  • Fiat Toro Volcano - Foto 6
    Fiat Toro Volcano - Foto 6
  • Fiat Toro Volcano - Foto 7
    Fiat Toro Volcano - Foto 7
  • Fiat Toro Volcano - Foto 8
    Fiat Toro Volcano - Foto 8

O sucesso de vendas da Toro no mercado brasileiro, onde ela foi produzida, também poderia ser considerado como um dos principais motivos para levar o carro para outros mercados. De acordo com o levantamento divulgado pela própria montadora, em menos de um ano de vendas o modelo conseguiu ficar em segundo lugar no quesito emplacamentos, ficando atrás somente do Strada.

Mas o que realmente pode acabar barrando a venda do veículo para outros mercados, especialmente os Estados Unidos, é falta de uma série de acordos comercias que precisam ser feitos para que o processo de exportação seja efetivo e barato. A Fiat ainda estaria aguardando algumas definições neste sentido para começar fazer com que a Toro alce voos mais longos.