Foi anunciado durante a tarde de hoje mais uma prorrogação do desconto no Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para os carros vendidos no Brasil. Também entraram na decisão a linha branca (composta por artigos para casa como fogões, geladeiras, máquinas de lavar e tanquinhos elétricos) e também móveis. De acordo com o texto que foi aprovado hoje, a redução vai valer por mais seis meses a partir de janeiro. As informações foram confirmadas durante coletiva de imprensa pelo Ministro da Fazenda Guido Mantega.

Governo prorroga mais uma vez desconto no IPI de carros

Mesmo continuando menor do que o considerado normal para os setores, algumas alíquotas vão começar a subir a partir de janeiro de 2013 em vários casos, dentre eles no segmento de automóveis. A notícia poderá provocar uma nova corrida dos brasileiros até as concessionárias para conseguirem comprar o seu carro por um preço mais baixo do que será vendido a partir do próximo ano.

As concessionárias e lojas também já estão se aproveitando da notícia para começarem a fazer propagandas alertando os consumidores que estes são os últimos dias para aproveitar o desconto no IPI. Mas pergunta que fica é a seguinte: Os consumidores ouviram este tipo de propaganda quantas vezes este ano? Será que elas ainda possuem algum efeito no consumidor?

O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, também aproveitou mais cedo durante o dia de hoje para anunciar que pretende fazer desonerações de R$ 40 bilhões em 2013. De acordo com as informações que foram passadas tanto pelo ministro quanto pela equipe dele durante o evento desta quarta-feira, a renúncia fiscal com a desoneração do IPI dos automóveis será de R$ 2,63 bilhões em 2013. No caso da linha branca, o governo deixará de arrecadar R$ 550 milhões e, no caso dos móveis, R$ 650 milhões.

Histórico

Ministro anuncia prorrogação do IPI para carros.

O primeiro anúncio de corte na alíquota do IPI no setor de automóveis aconteceu no mês de maio deste ano. Já no mês de agosto Guido Mantega convocou a imprensa para anunciar que aquela que seria a primeira prorrogação da redução do imposto que estava sendo cobrado em cima dos carros. Com aquela prorrogação, o prazo final seria dia 31 do mesmo mês, e as montadoras e concessionárias aproveitaram para fazer grandes promoções na tentativa de levar o consumidor as compras antes do final de ano. No mês de Outubro o governo anunciou mais uma vez que  o IPI continuaria com o valor cortado até o final deste não

Como fica

Mas tudo indica que esta realmente é a última prorrogação do IPI para o setor de carros, pelo menos nos mesmos moldes que foram realizados nos últimos meses, com realmente uma redução significativa do imposto. A partir do mês de janeiro o imposto já voltará a ser aumentado, mas Mantega que mesmo assim ele ainda vai permanecer mais baixo do que o que era cobrado antes do primeiro anúncio de redução feito este ano. Para mostrar isso, o Ministro lançou alguns dados relacionados com os impostos que serão cobrados a partir de cada tipo de carro.

Um dos exemplos foram dados em cima dos carros populares, os mais vendidos no Brasil e portanto os que mais causam impacto tanto nos rendimentos das montadoras e concessionárias quanto na movimentação geral do setor. O governo considera carro popular aqueles com motor no máximo 1.0. Antes de anunciar o primeiro corte no Imposto os consumidores estavam pagando uma alíquota de 7% em cima do preço final do veículo. Com o corte do IPI este valor foi para 0%. Agora, a partir do mês de janeiro os consumidores poderão perceber um retorno gradativo destes índices, sendo que durante o primeiro mês ele sobe 2%, no quarto mês do ano ele irá para 3,5% e assim por diante.

IPi deve voltar ao normal em Julho

Já os veículos que não se encaixam na categoria de populares e possuem um motor de 1.0 a 2.0 (flex), a aliquota normal é de 11%. Se o motorista for comprar um carro nesta categoria hoje, ele vai estar pagando uma IPI equivalente a 5,5% em ciam do valor final do carro. De janeiro a março de 2013, será de 7% e, entre abril e junho, subirá para 9%. Para carros a gasolina, 1.0 a 2.0, a alíquota normal é de 13% e tinha caído para 6,5% com a desoneração. Entre janeiro e março, será de 8% e, de abril a junho, subirá para 10%.

No setor de carros utilitários normalmente o governo estaria comprando IPI de 8%, sendo que depois do corte deste ano e até o dia 31 os consumidores estão pagando 1% de IPI sobre o preço final de cada carro. Entre janeiro a março, será de 2% e, de abril a junho, passará para 3%.

Guido Mantega ressalta ainda que a partir do mês de julho, a alíquota normal vai voltar para todos as categorias de automóveis. Neste mercado, os únicos que continuarão tendo um tratamento diferenciado são os caminhões, que continuará tendo 0% de IPI mesmo depois de Julho de 2013.

Durante o evento o Ministro falou que esta medida adotada pelo governo foi essencial para que a indústria nacional automotiva continuasse firme e forte como nos outros anos. Mantega lembrou que no começo deste na grande parte das empresas estavam pessimistas em relação ao que viria pela frente. Mas a partir da decisão da redução do IPI a indústria voltou a crescer, conseguiu aumentar a fabricação, vendeu o seu estoque e ainda por cima contratou mais funcionários durante o ano inteiro.