Muitos especialistas que se dedicam a reunir informações e recontar um pouco da trajetória dos carros mais antigos acreditam que um dos mais importantes polos de produção dos Estados Unidos na década de 50 foi Detroit. Um conjunto de fábricas instaladas neste local entregou diversos modelos que entraram facilmente para o roll dos grandes clássicos dos Estados Unidos e consequentemente de boa parte dos países sul-americanos que seguiam as tendências do Tio Sam já nesta época. Um destes modelos que acabou fazendo muito sucesso e que acabou saindo deste polo foi o Thunderbird, mas o modelo que realmente conseguiu marcar uma geração foi o Crown Victoria de 1955.

Ford Crown Victoria

O carro era um sedan de duas portas que realmente tinha o poder de encantar os olhos de muitas pessoas assim que o carro era visto. Alguns até mesmo relatavam um caso de amor a primeira vista, já que o carro acabou sendo matéria de muitas revistas e publicações da época. Algumas características do veículo realmente eram marcantes, como a suas colunas centrais, que eram diferentes da maioria dos carros fabricados até o momento, que eram unidas na parte de dentro do carro por uma barra de inox, formando uma espécie de tiara no veículo. Outra característica que acabou marcando muito o carro foi a pintura saia-e-blusa que era divida por um friso lateral que lembrava as asas de uma gaivota.

A Ford também aproveitava o lançamento do Crown Victoria para consolidar algumas soluções que já haviam sido experimentadas em outros lançamentos, como no Chevrolet Corvette e Cadillac Eldorado, como por exemplo o para-briva envolvente que acabou marcando uma nova geração dos carros de passeio que estavam sendo lançados pela montadora Ford na época. Os passageiros que davam uma volta neste modelo clássico poderiam perceber que o teto sobre o banco dianteiro podia ser feito de acrílico transparente, que na época era chamado de Plexiglas,  que na verdade era vendido como opcional, mas ele ficou tão famoso que muitas pessoas realmente acreditavam que este teto de acrílico vinha de fábrica no carro.

Crown Victoria 1956

Em termos de motorização do carro, geralmente os motoristas também podiam encontrar uma máquina muito interessante, com um motor V8 4.5 de 162 cv, que ganhava 20 cv com o carburador de corpo quádruplo e o escapamento duplo, sendo que neste caso esta motorização também podia ser encontrada como opcional, mas o modelo padrão vinha com pelo menos um seis-cilindros 3.6 de 120 cv. O câmbio do carro era de três marchas, sendo que elas poderiam ser encontradas nas versões manual ou automático. O carro realmente tinha um excelente desempenho para a época, e ele fez tanto sucesso que a Ford decidiu manter a produção do carro até hoje, mas apenas para o mercado norte-americano, sendo que por lá ainda é muito comum ver carros deste modelo, mas que já não parecem nem um pouco com os modelos mais clássicos.

Histórico

O primeiro Crown Victória foi lançado na metade da década de 50. O modelo mais clássico era um coupé que tinha duas portas e seis lugares para passageiros. Apesar de passageiros da época acharem um pouco desconfortáveis a parte mais central dos bancos dos passageiros. No mesmo ano que a marca fez o lançamento do carro ela também lançou uma versão especial chamada de Crown Victoria Skyliner, sendo que este modelo foi o primeiro que veio com o famosos teto de acrílico que foi mencionado anteriormente. O grande problema deste teto de acrílico é que quando o veículo andava muito, principalmente sob o sol quente, é que o interior do carro ficava muito quente. Mas o acessório acabou fazendo também bastante sucesso quando ele foi importado para outros países onde a temperatura é mais fria durante boa parte do ano, como a Suécia.

Modelo modificado do Crown Victoria

Depois destes lançamentos na década de 50 o carro ficou passando apenas por alguns ajustes, sendo que a Ford não fez nenhum novo lançamento significativo da marca na década de 60 e também em boa parte da década de 70. A novidade acabou sendo lançada realmente em 1979, quando o Crown acabou ganhando um relançamento por parte da Ford que media duas polegadas a menos do que o modelo da década de 50. Além disso o carro acabou ganhando mais desempenho e mobilidade, mas começou a perder os elementos mais clássicos da marca. Já no ano de 1983 a marca também acabou ganhando um outro lançamento em 1983, que foi chamado de Crown Sedan, que foi chamado de Pony Car. Foi o primeiro carro da Ford a ter chaves separadas para ignição e porta-luvas.

No início da década de 90 o carro passou por uma grande mudança, o que acabou realmente redesenhando e reinventando o veículo, deixando muito pouco dos modelos mais clássicos. O Modeço de 1992 acabou deixando o carro mais arredondado, sendo que o modelo ganhou 8 janelas e um motor de 4,6 L. O carro foi lançado com 4 marchas e capacidade para 75,7 litrod e gasolina. O carro foi passando uma por uma série de modificações sendo que os atuais que rodam no mercado norte-americano são da geração de 2008. Segundo as informações mais recentes, o carro parou de ser fabricado oficialmente agora em 2011, mas não se descarta uma possível volta.

Ford Crown Victoria viatura polícia EUA

Os modelos mais antigos acabaram se destacando nos Estados Unidos por comporem boa parte da frota de táxis das cidades, especialmente de Nova York, e também por comporem a frota da polícia. Até hoje boa parte das cidades acabam usando o Crown como viaturas de polícia.