• Geely EC7 - Foto 1
    Geely EC7 - Foto 1
  • Geely EC7 - Foto 2
    Geely EC7 - Foto 2
  • Geely EC7 - Foto 3
    Geely EC7 - Foto 3
  • Geely EC7 - Foto 4
    Geely EC7 - Foto 4

A Geely ganhou projeção internacional quando passou a controlar a marca de automóveis sueca Volvo, em 2010. Afinal, foi a primeira empresa chinesa a assumir uma conhecida fabricante ocidental. Mas a história do grupo é mais antiga. Ele é de 1986, tem sede em Xangai e só estabeleceu seu departamento automotivo, Geely Auto, em 1997. Em 2012, o faturamento passou de US$ 26 bilhões. No Brasil, a marca representou uma saída interessante para o empresário José Luís Gandini, que também controla a Kia no Brasil. A marca coreana perdeu competitividade por conta da política de cotas adotada no país. Restaram apenas os modelos montados em Montevidéu, no Uruguai, como o utilitário Bongo. E é de lá também que desembarca, em março, o primeiro modelo Geely para o Brasil: o sedã EC7. A empresa ainda não definiu o preço final. Declara apenas que será “em torno de R$ 50 mil”. Bem próximo ao de seu principal adversário, o JAC J5, que custa R$ 51.490.

Como na marca chinesa rival, o atrativo do modelo é a relação tamanho-preço. Ele tem dimensões de carro médio – 4,63 metros de comprimento, 1,78 m de largura, 147 m de altura e 2,65 m de entre-eixos –, mas valor de sedãs compactos superiores, como Nissan Versa, Chevrolet Cobalt, novo Ford Fiesta e Fiat Linea. O EC7 será montado em sistema de CKD e se beneficiará das regras do Mercosul, que permitirá que escape das cotas e do Super-IPI. A princípio, a marca aposta em um volume modesto. Do total de 3.500 unidades em 2014, 40%, ou 1.400 carros, seriam do EC7. Os restantes 60%, ou 2.100 exemplares, viriam do subcompacto GC2, que será lançado em abril na faixa dos R$ 30 mil – para concorrer com JAC J2 e o Chery QQ. Inicialmente a missão será cumprida por meio de 15 concessionárias concentradas principalmente no Sul e Sudeste. Até o final de 2014, a fabricante chinesa promete expandir esse número para 25. Quando a unidade produtiva uruguaia estiver a pleno, sairão de lá 20 mil veículos anuais com destino exclusivo para o Brasil – em outros mercados os carros são importados da China.

Quanto ao design, o EC7 não foge ao padrão de mesmice dos modelos chineses. A traseira tem desenho bem genérico, com lanternas triangulares. Na frente, a grade em formato de trapézio invertido ainda guarda alguma originalidade, com as barras horizontais se sobrepondo como em camadas. Mas a coisa desanda no símbolo, que parece uma derivação do logotipo da Cadillac.

Interior do EC7

Sob o capô, o sedã traz um motor 1.8 litro com comando de válvulas variável. Por enquanto, ele é somente a gasolina e desenvolve 130 cv a 6.100 rpm e 16,9 kgfm de torque a 4.100 giros. A versão flex, que chega em julho, deverá manter números bem semelhantes. E inicialmente o sedã só será comercialializado com a uma transmissão manual de cinco relações – a automática ficou para 2015 e será do tipo CVT. Com o conjunto atual, o sedã chega aos 100 km/h em 12 segundos, antes de atingir a velocidade máxima de 185 km/h.

O EC7 vem bem recheado de série, mas nada que impressione. Estão lá ar-condicionado, trio elétrico, direção hidráulica, entrada micro USB e auxiliar e rádio AM/FM/CD. Faltam sistema multimídia com GPS, Bluetooth e comandos no volante. Em termos de segurança, o sedã traz apenas os obrigatórios freios ABS e airbags frontais. Mas o EC7 recebeu nota máxima de segurança em testes em seu país e origem e quatro estrelas – de cinco possíveis – no Euro NCAP. Para emplacar, a Geely aposta também no pós-venda e na garantia de 3 anos ou 100 mil km.

Traseira do EC7

Impressões ao dirigir

Itu/SP – A Geely escolheu a cidade de Itu, no interior paulista, como sede e o local para o primeiro test-drive. O trajeto de quase 100 km mesclou trechos urbanos e rodoviários, mas é no primeiro tipo que o EC7 vai bem. Em terrenos planos, o motor 1.8 litro de 130 cv não tem problemas em tirar o carro do lugar. As retomadas e acelerações são robustas, apesar do torque máximo de 16,9 kgfm só ser alcançado a altos 4.400 giros – o que tira agilidade do modelo. Já o câmbio manual de cinco relações tem encaixes curtos e precisos.

Nas estradas do interior paulista o EC7 mostra um outro lado. Em velocidades mais altas – acima dos 100 km/h – a direção hidráulica fica excessivamente leve e o condutor perde a sensação de segurança nas curvas. Em linha reta, o sedã exige constantes correções na trajetória. E quando encara um aclive, perde o fôlego. São necessárias reduções para acompanhar o trânsito e vencer subidas mais íngrimes.

Ao abrir a porta do sedã, a soleira vem com a inscrição Emgrand. O nome é de uma marca mais luxuosa do grupo na China, que comercializa o EC7 por lá. O “pedigree” pode ser notado no interior. Os plásticos rígidos estão espalhados por todos os lados, mas são predominantemente pretos e não comprometem o aspecto sóbrio do habitáculo. Os bancos são revestidos em couro sintético e são firmes. Os arremates são bons e não há rebarbas aparentes. O painel de instrumentos é simples, mas tem números pequenos e uma iluminação azul que não ajuda. O computador de bordo dá informações como autonomia, hora e hodômetro parcial, mas não fornece o consumo. Já atrás, o panorama fica melhor. Há espaço suficiente para três ocupantes traseiros viajarem sem exigir maiores intimidades.

Frente do EC7

Ficha técnica

Geely EC7

MotorA Gasolina, dianteiro, transversal, 1.792 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, comando variável de válvulas. Injeção eletrônica multiponto sequencial
TransmissãoCâmbio manual de cinco velocidades à frente e uma a ré. Tração dianteira
Potência máxima130 cv a 6.100 rpm
Torque máximo16,9 kgfm 4.400 rpm
Diâmetro e cursoNão divulgado
Taxa de compressão10,0:1
SuspensãoDianteira e traseira independente do tipo McPherson, molas helicoidais e amortecedores a gás. Não oferece controle eletrônico de estabilidade
Pneus215/55 R16
FreiosDiscos ventilados na frente e sólidos atrás com ABS
CarroceriaSedã em monobloco com quarto portas e cinco lugares. Com 4,63 metros de comprimento, 1,78 m de largura, 1,47 m de altura e 2,65 m de distância entre-eixos. Airbags frontais
Peso1.280 kg
Capacidade do porta-malas670 litros
Tanque de combustível50 litros
ProduçãoMontevidéu, Uruguai
Lançamento no Brasil2014
Itens de sérieAr-condicionado, trio elétrico, direção hidráulica, banco do motorista com regulagem de altura, computador de bordo, coluna de direção com ajuste de altura, bancos em couro sintético, rádio/CD/MP3/AM/FM e sensor de estacionamento
Preçoem torno de R$ 50 mil

Autor: Raphael Panaro (Auto Press)
Fotos: Raphael Panaro/Carta Z Notícias