• Fiat Punto Blackmotion - Foto 1
    Fiat Punto Blackmotion - Foto 1
  • Fiat Punto Blackmotion - Foto 2
    Fiat Punto Blackmotion - Foto 2
  • Fiat Punto Blackmotion - Foto 3
    Fiat Punto Blackmotion - Foto 3
  • Fiat Punto Blackmotion - Foto 4
    Fiat Punto Blackmotion - Foto 4
  • Fiat Punto Blackmotion - Foto 5
    Fiat Punto Blackmotion - Foto 5

Dizer que um carro é esportivo é uma tarefa complexa. Uns apontam que para levar tal fama o modelo precisa ter um motor potente. Outros batem na tecla que o visual é mais importante. Os mais entendidos afirmam que necessariamente o veículo tem que ter tração traseira. Há quem acredite na combinação de todos os fatores. Mas a Fiat apostou apenas no design com a versão BlackMotion, apresentada em julho de 2013. O grande mote da versão é o visual. 

O BlackMotion parece um pacato Punto Attractive que invadiu o “armário” do T-Jet – a versão realmente esportiva, com motor 1.4 turbinado de 152 cv – e “pegou” uns “adereços” emprestados. Lá estão para-choques dianteiro e traseiro mais “parrudos” e com entradas de ar, faróis com máscara negra e saias laterais. A capa dos retrovisores externos, friso do capô, revestimento das colunas e do minispoiler, ganharam a cor preta fosca. Completam o design as rodas de 16 polegadas – as de 17, iguais às do T-Jet, são opcionais – com pintura escura diamantada. Pela aspiração esportiva, a Fiat cobra R$ 50.150 pelo modelo. A nova série ajudou a linha Punto a atingir uma média mensal de 3.300 emplacamentos no ano passado – à frente dos rivais Citroën C3, Peugeot 208 e Volkswagen Polo.

A esportividade, no entanto, fica só a cargo do estilo. Debaixo do capô quem dá as ordens é o motor flex 1.8 litro E.torQ – o mesmo da versão Sporting. Ele é capaz de produzir 130 cv quando abastecido com gasolina e chega a potência máxima de 132 cv com etanol – tudo a 5.250 rpm. Já o torque chega a 18,4 kgfm com gasolina e 18,9 kgfm com etanol – sempre a 4.500 rpm. Ele vem sempre associado à transmissão manual de cinco relações. O câmbio automatizado Dualogic Plus é opcional. Custa R$ 2.470 e vem aliado ao conhecido seletor DNA, que traz três modos de condução. 

Internamente, a versão adota literalmente o estilo “black”. Painel e revestimentos são todos na cor preta. Os cintos de segurança ficaram mais sóbrios e ganharam um tom de cinza em vez do extravagante vermelho da configuração Sporting. Os bancos e os tapetes traz bordados exclusivos com alusão à série. Os assentos, inclusive, podem ser revestidos em couro. São necessários mais R$ 2.223 pelo item que ainda traz o banco traseiro bipartido com apoia-braço central.

Em relação a tecnologia, o Punto BlackMotion traz itens de série como ar-condicionado, rádio CD/MP3 com entrada USB, volante em couro multifuncional, sensor de estacionamento e vidros elétricos traseiros, sinalização de frenagem de emergência e duplo airbag e freios ABS. Requintes extras como ar digital, retrovisor interno eletrocrômico, sensor crepuscular e de chuva, o Blue&Me – que traz, entre outros, Bluetooth e comandos de voz –, teto solar elétrico Skydome e airbags laterais estão na lista de opcionais.

Interior do Punto Blackmotion

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 1.8 E.torQ não tem dificuldades para mover os 1.222 kg do hatch. O  torque de 18,4 kgfm com gasolina no tanque permite até uma tocada ligeiramente esportiva, com agilidade no trânsito. Nada que se compare ao 1.4 litro turbinado da versão T-Jet, mas é possível se divertir à bordo do BlackMotion. Nota 8.

Estabilidade – O Punto é um dos carros mais equilibrados de sua categoria. O modelo faz parecer que o motorista é parte integrante da carroceria. O hatch é bem assentado no chão e a suspensão expressa um bom balanço entre estabilidade e conforto, além de controlar as rolagens. Nota 9.

Interatividade – A versão testada contava com inúmeros opcionais, inclusive com borboletas atrás do volante para trocas de marcha. Elas tornaram o convívio com o carro mais amigável, já que câmbio Dualogic evoluiu, mas ainda provoca muitos trancos. De resto, destaque para volante de couro que, além de bem acabado, tem excelente pegada. O rádio também é interessante, cheio de funções, mas com funcionamento simples. Nota 8.

Consumo – O InMetro só testou as versões do Punto com motor 1.4 e 1.6. O computador de bordo do BlackMotion marcou média de 6,8 km/l de gasolina em consumo urbano. Nota 5

Conforto – Espaço interno não é o forte de nenhum compacto. Mas o Punto até é bem resolvido nessa questão. Há lugar para quatro adultos e a adição de um quinto elemento não prejudica tanto o conforto. Os bancos são revestidos parcialmente em couro – opcional – e sustentam bem o corpo. A acústica faz o seu trabalho em isolar o “ronco” do motor. Destaque também para a função “Creeping” da transmissão automatizada, principalmente na hora de estacionar. Nota 8.

Frente do Punto Blackmotion

Tecnologia – O Punto BlackMotion vem com bons itens de série com direito a airbag duplo, ABS, ar-condicionado, direção hidráulica, sinalização de frenagem de emergência e trio elétrico. Mas são os opcionais que tornam o carro mais atrativo com destaque para o teto solar Skydome, transmissão Dualogic Plus com três modos de direção, paddle-shifts, ar-condicionado digital e o sistema Blue&Me que traz Bluetooth. Com todos esses itens o preço fica elevado e ultrapassa até o Punto T-Jet de “entrada”. Nota 7.

Habitabilidade – Quem projetou o Punto não é muito chegado a porta-objetos. Existe apenas um porta-copos na frente da alavanca de câmbio que pode receber itens pessoais. O compartimento acima das saídas de ar é pouco prático. O porta-malas leva 280 litros, bem de acordo com o segmento. Nota 7.

Acabamento –  É uma das evoluções do Punto na reestilização que ocorreu em 2012. E no BlackMotion fica ainda melhor. Como diz o próprio nome, o habitáculo é predominantemente preto e dá um aspecto sóbrio ao modelo. Há ainda inserções no painel que imitam fibra de carbono. As costuras de tom acizentado do volante e dos bancos também são de bom gosto. Mas o toque principal no interior é uma “luzinha” branca que acompanha todo painel. Nota 7.

Design –A versão BlackMotion é baseada na Sporting, mas veste a “roupa” da configuração genuinamente esportiva T-Jet. O visual “esportivado” traz para-choques alargados e tomadas de ar, além de saias laterais que deixam o Punto mais “invocado”. Na traseira chama atenção o minispoiler em preto fosco e a simulação de difusor com as luzes de ré centralizadas. As rodas são de 16 polegadas com desenho interessante, mas podem trazer as mesmas do T-Jet, de 17 polegadas, como opcional. Nota 8.

Custo/benefício – O Punto BlackMotion diminui ainda mais o “gap” entre as versões Sporting e T-Jet. Ele parte de R$ 49.900 enquanto a versão esportiva parte de R$ 57.490. Se a lista de opcionais for levada a sério pelo comprador, o valor do modelo pode ultrapassar os R$ 60 mil. Na concorrência de compactos superiores, os únicos que tem transmissão automática ou automatizada são o Citroën C3, Peugeot 208, Ford Fiesta Powershift e o Volkswagen Polo I-Motion, ambos consideravelmente mais caros que o Punto e sem a “casca” esportivada. Nota 6.

Total – O Fiat Punto BlackMotion somou 73 pontos em 100 possíveis.

Traseira do Punto Blackmotion

Impressões ao dirigir

O grande apelo do Punto BlackMotion é o visual. O face-lift de 2012 deixou o Punto com um “bigode” na dianteira, mas na versão BlackMotion o que chama atenção é a “cara” da versão T-Jet. Os para-choques com pequenas entradas de ar dão o toque “agressivo” no design, tanto na traseira quanto na dianteira. Atrás o aspecto dinâmico se completa com o escapamento duplo e os plásticos que imitam um difusor – que ainda ostenta as luzes de ré. A esportividade também segue no habitáculo. A versão testada era equipada com bancos revestidos em couro, teto solar e ainda com paddle-shifts.

Já o motor 1.8 E.torQ não tem, nem de longe, o mesmo desempenho do 1.4 litro turbinado do Punto T-Jet. Mas o propulsor de 132 cv não faz feio e confere agilidade ao hatch. O grande “problema” do BlackMotion é o entrosamento do motor com a trasmissão automatizada Dualogic Plus. O câmbio deixa o propulsor trabalhar em rotações altas até efetuar as trocas. As mudanças de marcha também são marcadas por perceptíveis “soluços”, que provocam verdadeiros “vai e vém” dos corpos dos ocupantes. Os solavancos só ficam mais amenos e a esportividade aparece quando as trocas são efetuadas pelas “borboletas”, mas só são oferecidas como opcional.

A versão testada ainda era equipada com o sistema DNA que traz três modos de condução: Dinâmico, Neutro e Autonomia. O “Neutro” é a configuração padrão. O ajuste “Dinâmico” deixa o Punto mais “espertinho”, porém acentua a falta de comunicação do motor com a transmissão automatizada. E o “Autonomia” privilegia o consumo e tira qualquer sensação de esportividade do carro. O modo faz o Punto BlackMotion murchar nas acelerações e nas retomadas. Algo que realmente não combina em nada com seu visual.

Fiat Punto BlackMotion 1.8 E.torQ

Ficha técnica

Fiat Punto BlackMotion 1.8 E.torQ

MotorGasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.747 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro. Comando simples de válvulas no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto e acelerador eletrônico
TransmissãoCâmbio automatizado Dualogic Plus de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle de tração
Potência130 cv com gasolina e 132 cv com etanol a 5.250 rpm
Aceleração 0-100 km/h  9,9 s com gasolina e 9,6 s com etanol
Velocidade máxima 190 km/h com gasolina e 193 km/h com etanol
Diâmetro e curso80,5 mm x 85,8 mm
Taxa de compressão11,2:1
SuspensãoDianteira independente do tipo McPherson, com braços oscilantes fixados em subchassi, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos pressurizados e barra estabilizadora. Traseira com rodas semi-independentes, com barra de torção, barra estabilizadora integrada e amortecedores hidráulicos pressurizados. Não oferece controle de estabilidade de série
Pneus195/55 R16
FreiosDiscos ventilados na frente e tambores atrás. Oferece ABS com EDB
Peso1.222 kg
Capacidade do porta-malas280 litros
Tanque de combustível60 litros
ProduçãoBetim, Brasil
Itens de sérierádio CD/MP3 integrado ao painel com entrada USB, volante em couro com comando de rádio, rodas de liga leve de 16 polegadas, sensor de estacionamento e vidros elétricos traseiros, sinalização de frenagem de emergência e duplo airbag e freios ABS
OpcionaisAr-condicionado digital, sensor de luminosidade e chuva, retrovisor interno eletrocrômico, airbags laterais e de cortina, teto solar, transmissão automatizada Dualogic Plus com DNA, rodas de liga leve de 17 polegadas, paddle-shifts, banco traseiro bipartido com apoia-braço central, bancos revestidos parcialmente em couro, sistema Blue&Me
Preço completoR$ 61 mil

Autor: Raphael Panaro (Auto Press)
Fotos: Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias