• Volvo V40 Cross Country - Foto 1
    Volvo V40 Cross Country - Foto 1
  • Volvo V40 Cross Country - Foto 2
    Volvo V40 Cross Country - Foto 2
  • Volvo V40 Cross Country - Foto 3
    Volvo V40 Cross Country - Foto 3
  • Volvo V40 Cross Country - Foto 4
    Volvo V40 Cross Country - Foto 4
  • Volvo V40 Cross Country - Foto 5
    Volvo V40 Cross Country - Foto 5
  • Volvo V40 Cross Country - Foto 6
    Volvo V40 Cross Country - Foto 6

A Volvo é uma marca de nicho. Seus automóveis não são pensados para alcançar volumes expressivos no mercado. E exatamente por isso, a montadora precisa superqualificar seus modelos. A marca sueca, que é controlada pela chinesa Geely, valoriza, então, a qualidade de acabamento, a tecnologia voltada para a segurança e a exclusividade. Como é o caso do V40 Cross Crountry. Ele chega às concessionárias brasileiras neste final de março com a intenção de emplacar apenas 300 unidades nos nove meses restantes de 2014. Isso não dá 35 vendas por mês. É pouco, mas como cada exemplar custa a partir de R$ 141.500 – com opcionais e acessórios, ultrapassa R$ 170 mil –, o faturamento da Volvo apenas com esta versão pode passar dos R$ 40 milhões, caso a projeção se confirme. A versão CC do V40 deve responder por 40% das vendas do hatch daqui para a frente. As versões Dynamic e R-Design, um pouco mais baratas, ficariam com os outros 60%.

O pacote de atrativos que a Volvo monta para seus carros tem de incluir itens que justifiquem plenamente o fato de seu hatch médio custar até mais que rivais como BMW Série 1, Mercedes-Benz Classe A ou Audi A3 Sportback. No caso específico do CC, a tração integral permanente vocaciona o carro para enfrentar lama ou neve. Tem, inclusive, controle eletrônico de descida de rampa, que ajuda bastante em pisos de baixa aderência. Na versão trazida para o Brasil, as rodas são de 18 polegadas, contra as aro 16 originais, para dar um ar mais aventureiro ao modelo, que passou a ter 4 cm a mais de distância para o solo em relação aos modelos “civis” do V40.

No mais, o V40 CC tem umas poucas diferenças estéticas. Os para-choques foram redesenhados e na frente ele ganhou uma grade em colmeia. Os faróis ficaram mais alongados e luzes diurnas saíram da saia e ficaram mais verticalizadas. Na parte inferior entre os eixos há uma moldura de proteção e o teto recebe barras longitudinais. Carcaça dos espelhos e molduras das janelas são em preto brilhoso. Na traseira, há um difusor em prata na saia e um espoiler no teto.

Frente do Volvo V40 Cross

Os conteúdos mais interessantes do V40 CC não são tão explícitos. Caso do motor T5, o mais forte da linha. Trata-se de um 2.0 litros com cinco cilindros soprados por turbo e gerenciado por um câmbio automático de seis marchas e com sistema start-stop. Ele rende 210 cv de potência a 6 mil rpm e 30,6 kgfm entre 2.700 e 5 mil giros. Outro exemplo são os recursos de segurança. A estrutura do V40 é feita com cinco tipos de aço – do macio até o ultra resistente, dependendo da função –, e plásticos e alumínio. Tem ainda banco com encosto ativo e o sistema city safety, que freia o carro sozinho para evitar colisões a até 50 km/h. Isso além de sete airbags e controle dinâmico de estabilidade.

No entanto, alguns recursos de segurança foram “desviados” para um pacote de opcionais, batizado de Safety, que custa R$ 15 mil e tem alguns itens até já banalizados em segmentos superiores, como sensor de ponto cego ou controle de cruzeiro adaptativo. Na lista estão, entre outros, airbag para pedestres, sensor lateral de tráfego, sensor de pedestres e ciclistas com frenagem automática e controle de faixa de rolagem. Já o pacote chamado Hi-tech, que custa R$ 10 mil, só traz equipamentos que, a princípio, já deveriam estar no cardápio de um modelo de mais de R$ 140 mil: park assist, GPS e câmera de ré. O sistema Sensor, que inclui recursos como tela touch e roteador de internet, acrescenta outros R$ 7.690.

Traseira do Volvo V40 Cross

Primeiras impressões

Interior do Volvo V40 CrossItu/São Paulo – Embora a estética do V40 Cross Country satisfaça a sanha pseudo-lameira do consumidor brasileiro, o hatch médio da Volvo é também um ótimo carro de passeio. O próprio motor tem características que o deixa à vontade em rotações mais elevadas. Mesmo que o controle do câmbio não acompanhe essa “esportividade”: as trocas sequenciais só podem ser feitas diretamente na alavanca, embora até modelos compactos de marcas generalistas já usem paddle shifts. Esse vigor, juntamente com a tração permanente nas quatro rodas, também cai bem em estradas de terra – desde que sejam razoavelmente niveladas.

Nos buracos, a suspensão rígida rouba o conforto dos ocupantes e parte da dirigibilidade do modelo, pois ele fica excessivamente “vivo” e o amortecedor chega ao fim do curso com certa facilidade. O ganho de 4 cm de altura para o solo permite que o V40 CC enfrente ondulações mais acentuadas sem arrastar o fundo, mas não o transforma em carro de rali. No asfalto, ao contrário, a disposição do CC pode ser plenamente explorada. O ganho de estabilidade oferecido pela tração integral torna o modelo absolutamente neutro, mesmo em velocidades mais altas. O regime de giros elevado do ótimo propulsor de cinco cilindros também é bastante adequado em acelerações e retomadas.

Por dentro, o V40 CC traz o já tradicional bom acabamento da marca sueca. Bancos e volante em couro, superfícies atraentes e agradáveis, encaixes perfeitos, isolamento acústico de alto nível e design moderno. Como briga no mercado de automóveis premium, a Volvo tenta abraçar todas as vertentes. O que é graficamente representado no painel de cristal líquido configurável. Há o modo esportivo, com tons de vermelho. um modo clássico, mais sóbrio, e o modo econômico, com detalhes em verde. Em cada um, as informações se adequam ao conceito básico, como o uso da potência no esportivo ou o consumo no ecológico. Essa variedade também é um expressão da grande capacidade do V40 CC de transitar com alguma autoridade em caminhos diferentes.

Volvo V40 Cross Country

Ficha técnica

Volvo V40 Cross Country

MotorA gasolina, dianteiro, transversal, 1.984 cm³, cinco cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, turbocompressor, intercooler, comando duplo no cabeçote. Acelerador eletrônico e injeção direta de combustível
TransmissãoCâmbio automático com seis marchas à frente e uma a ré. Tração integral. Oferece controle de tração
Potência máxima210 cv a 6 mil rpm
Aceleração 0-100 km/h7,2 segundos
Taxa de compressão10,5:1
SuspensãoDianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barras estabilizadoras. Traseira do tipo Multilink, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barras estabilizadoras
FreiosDiscos na frente e atrás. Oferece ABS com EBD e assistência eletrônica
Peso1.634 kg
Capacidade do porta-malas324 litros
OpcionaisPacote High Tech, com GPS, câmera de ré, park assist e leitor de DVD
PreçoR$ 141.500
Preço completoR$ 166.500

Autor: Eduardo Rocha (Auto Press)
Fotos: Eduardo Rocha/Carta Z Notícias